PPD - Purified Protein Derived

PPD - Purified Protein Derived

Em uma busca on line encontraremos rapidamente estas respostas, mas nunca de forma completa, pois para isso precisamos voltar no tempo.
Todas as crianças devem ser vacinadas o quanto mais cedo com a vacina de BCG (Bacilo de Calmette Guérin) atenuado (pelo menos 70% deve estar integro), a bactéria utilizada é o Mycobacterium bovis (Tuberculose Bovina), ao contrário do que a maioria imagina a bactéria utilizada para imunização contra tuberculose não é o Mycobacterium tuberculosis.
Isso acontece devido ao risco de causar uma infecção por tuberculose (tuberculose pulmonar, meningite tuberculosa e tuberculose miliar – forma disseminada).
Por simples lógica existe uma reação cruzada entre as bactérias M. bovis e M. tuberculosis.
A questão que surge após a vacinação e o tempo de pelo menos 24 semanas é de se a vacina realmente imunizou o paciente.
Para realizar este teste precisamos provocar uma reação local com antígenos do patógeno da tuberculose, então foram purificados antígenos específicos do M. bovis no Brasil e do M. tuberculosis fora do Brasil, daí o nome PPD – Derivado de Proteína Purificada (Protein Purifield Derivated).
O maior problema na época, ou seja, década de 90 era que muitas empresas vendiam o concentrado de PPD e cada laboratório usa fatores de diluições diferentes, o que impossibilitava a comparação dos resultados.
A OMS apoiou o Statens Serum Institut da Dinamarca a padronizar um teste de PPD pronto para uso onde os resultados poderiam ser comparados, foi chamado de PPD-RT 23, a codificação tem relação com a cepa utilizada de M. tuberculosis. Atualmente o fornecedor é AJVaccines localizada em Copenhague, capital da Dinamarca.
No Brasil apesar da orientação da OMS para o uso deste PPD-RT 23, por questões de custo e rapidez, o PPD amplamente utilizando continuou a ser o PPD de M. bovis.
A questão que surge é se a vacina de BCG que usa o M. bovis gera imunização contra o M. tuberculosis, portanto são geradas células de memória, que tem capacidade para combater o M. tuberculosis, mas se queremos ter certeza de que esta imunização foi eficiente os antígenos purificados devem ser de M. bovis ou de M. tuberculosis? Devido a reação cruzada ambos podem ser utilizados desde que as concentrações, formulação e a metodologia de aplicação seja a mesma.

Há vantagens ou desvantagens de um tipo para outro?

Fora as questões de custo mais elevado e logística da cadeia de frio para importação e entrega do PPD-RT 23, na prática clínica o PPD obtido de M. bovis apresenta resultados menos inconclusivos do que o que PPD-RT 23.
O teste de PPD seja qual for sua origem (M. bovis ou M. tuberculosis), não é um teste diagnóstico da tuberculose, serve apenas para saber se o indivíduo vacinado desenvolve células de memória imunológica (linfócitos B). O diagnóstico conclusivo é feito com a cultura do escarro (método muito demorado) ou usando a tecnologia do PCR para identificar a presença do material genético da bactéria.
Um teste positivo em qualquer PPD indica que o paciente foi imunizado, um teste negativo indica que o paciente não foi vacinado ou a vacina não foi eficiente em gerar imunização ou o paciente está em fase aguda. Um teste positivo forte pode indicar a patologia ou apenas que o paciente mantém um estoque alto de células protetoras ativas. Com qualquer dos testes a interpretação pode ser complexa e o paciente deve ser avaliado de forma geral. Há muita informação on line incorreta que restringe a interpretação a simples medida em milímetros da enduração e eritema formado após 72 horas da aplicação).
Em alguns casos o teste de PPD é utilizado para realizar uma amostragem em uma população especifica, por exemplo funcionários de frigorifico, e os casos que gerarem dúvidas são encaminhados para avaliações mais específicas.
Partindo-se do pressuposto de que se o indivíduo foi vacinado, podemos utilizar o teste de PPD como um avaliador das atividades imunológicas do paciente, indicando algum tipo de supressão imunológica ou o bem-estar imunológico do paciente.

Conclusão:

Se os testes conseguem chegar ao mesmo resultado e não são testes diagnósticos e ambos têm as mesmas complexidades de interpretação, aplicando-se o princípio de custo-benefício-logística o melhor é utilizar o PPD de M. bovis.

Referências:

1- Bula PPD de Mycobacterium bovis
2- Sarinho, E. et al. Viragem Tuberculínica Pós-Vacinal com PPD Derivado de BCG. Bol. of Sanif. Panam. 111(5), 1991, pag. 402-405.
3- Prova Tuberculínica. Disponível em https://saude.es.gov.br/Media/sesa/Tuberculose/folder-prova-tuberculinica-2016.2.pdf. Acessado em 31/05/2019.
4- Monteiro, A. M. Comparação de testes sorológicos para o diagnóstico da tuberculose. MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA. 2010.





Dúvidas, Orçamentos, Sugestões, Críticas Ficaremos Felizes em poder ajudar!


Av. Rio Branco 277, Sala 1108 - Centro, Rio de Janeiro - CEP: 20040-009

CNPJ: 05.382.206/0001-47

© Todos os direitos reservados - 2018