Fatores de Transferência - FT: O que são e como podem promover alterações na regulação (modulação) em diversas patologias

 

Introdução

O uso de órgãos de animais, ou parte deles, como remédios e medicamentos faz parte da cultura humana há milênios para as mais diversas finalidades. A etnofamacologia busca entender e, posteriormente, melhorar a forma como esta medicina centenária ou milenar atuava, reinterpretando seus usos sob a ótica da ciência moderna. Neste processo são descontextualizados os aspectos religiosos ritualísticos, focando apenas na farmacologia. Com base em um histórico de utilização, uma proposta para a aplicação e posterior experimentação é desenvolvida. Dentre os diversos órgãos, vamos nos ater ao baço.

O baço humano ou animal contém uma reserva natural de células sanguíneas. Percebeu-se que se este órgão fosse triturado e esta massa fosse dialisada contra uma membrana de até 12.000 daltons, era obtida uma solução que, se ingerida por pessoas com doenças relacionadas a infecções resistentes, tumores, dermatites, alergias respiratórias ou autoimunidade, notava-se uma melhora no estado sintomatológico. Este foi o ponto de partida para o aprimoramento no uso, nas técnicas de purificação e no entendimento dos mecanismos que podem estar envolvidos nas experiências clínicas observacionais.

Em 1954, o pesquisador Lawrence [1] descobriu que esta melhora (sintomas) estava relacionada ao que ele denominou de “Fator de Transferência” - (FT), ou seja, alguma(s) substância(s) pode(m) ser transferidas de um indivíduo saudável para um paciente com alguma enfermidade. Este pesquisador utilizou um dialisado de leucócitos humanos a priori. O mesmo autor em 1985 determinou como sendo o FT, um conjunto de polipeptídios com baixo peso molecular [1], a partir daí, os estudos tanto com aplicações experimentais e clínicas como os estudos para identificar qual substância (ou substâncias) estaria evolvida como sendo o FT aprofundaram-se [2,3].

O que são os FT?

Os FT são pequenas proteínas que "transferem" a habilidade de expressar a imunidade celular de um indivíduo imune para um indivíduo não-imune [2,4,5]. Duas substâncias foram identificadas a princípio como um FT: a Eplenopentina (SP-5, Arg-Lys-Glu-Val-Tyr) e a Timopoetina (TP-5, Arg-Lys-Asp-Val-Tyr), estes são peptídeos imunomoduladores que podem ser sintetizados. Há uma correlação entre as substâncias encontradas no baço e nos linfonodos. A substância nomeada de esplenina, tem diferença em relação a timopoetina que está na posição 34 (ácido aspártico no Timo e glutamina no Baço). TP e SP promovem as mesmas atividades biológicas [6,7].

Os FT são imunomoduladores, ou seja, substâncias que tem a habilidade de influenciar os componentes do Sistema Imunológico - SI. Entende-se como "influenciar o SI", corrigir ou acentuar terapeuticamente a resposta imunológica nas condições de imunodeficiências, infecções crônicas, autoimunidade e neoplasias.

A modulação da resposta do SI a nível farmacológico é dependente da dose e do modo de uso (periodicidade) [2], apresentando segurança para o paciente mesmo em doses elevadas [4].

A substância denominada esplenopentina com a seguinte sequencia de aminoácidos SP-5 (Arg-Lys-Glu-Val-Tyr) correspondem ao seguimento de 32-36 da cadeia peptídica do hormônio esplenina (TP-III). Entre as funções relatadas para esta substância esta a diferenciação dos linfócitos T e B [8].

A partir das descobertas promissoras destas substâncias, os testes preliminares in vivo e in vitro, foram levados adiante, assim como os estudos clínicos dentro das diversas possibilidades de aplicações. Tal como nos testes preliminares, o extrato de baço bruto demonstrou eficácia clínica nos casos de dermatite atópica. Em um dos relatos foram tratadas 16 crianças utilizando a fração TP-5, resultando na melhora clínica e, principalmente, reduzindo a produção de histamina e dos mediadores inflamatórios não relacionados a IgE [9,10,11].

Na maioria dos estudos clínicos ocorreram benefícios para os pacientes, mesmo os pacientes com neoplasia, onde o FT pouco atua diretamente, mas mostrou-se promissor em amenizar os efeitos colaterais das rádio e quimioterapias. Seu papel como adjuvante a todos as imunodeficiências diretas ou indiretas, assim como, a segurança no uso, são amplamente relatados na literatura [9,12,13,14]. Doses maiores têm efeitos inibidores, enquanto doses menores têm efeitos ativadores [14], tornando o uso sublingual uma ótima forma de administração e controle das dosagens.

As vantagens na utilização do FT como adjuvante

Entre as vantagens no uso dos fatores de transferência purificados ou brutos é a de que podem ser utilizados por via oral com a mesma eficácia comparado a via subcutânea [15,16].

O que denominamos genericamente como FT é um conjunto de vários peptídeos de baixo peso molecular (<12.000 daltons). As substâncias conhecidas presentes no extrato do baço bovino (atualmente, não se usa o extrato a partir de baço ou leucócitos humanos) são as esplenopentina, tetrapeptídeo de tuftsina, a tuftsina, o tuftsinal (L-Prolyl-L-arginina) e tuftsina (Thr-Ly-Pro-Arg) (composição do medicamento Imunotransferan® de produção brasileira). Fora do Brasil o FT é comercializado como um suplemento alimentar, sem que haja o controle adequado para garantir as concentrações e eficácia terapêutica.

Entre as substâncias presentes no FT uma atenção maior é dada, sobretudo, à tuftsina que é um tetrapeptídeo (Thr-Lis-Pro-Arg) produzido pela clivagem do domínio Fc da cadeia pesada da imunoglobulina G (ocorre no baço) [17,18], que apresenta em diversos estudos clínicos resultados na redução das infecções bacterianas em pacientes HIV positivos [19], aumento da fagocitose, mobilidade, quimiotaxia dos macrófagos e aumento da capacidade do macrófago apresentar antígenos aos linfócitos T [17,18,20,21,22,23].

Há uma relação direta entre a presença da tuftsina e a redução no risco de infecções por protozoários, bactérias e fungos [8,24,25].

Conclusão

Considerando as condições estressantes a que todas as populações do mundo estão vivenciando e que tais condições influenciam diretamente em nossa imunidade (saúde e qualidade de vida), e indiretamente nas questões de saúde pública e privada, além das derivações relacionadas. O desenvolvimento de medicamentos baseados em produtos com baixo risco e custo ao consumidor, podem marcar o início de uma nova medicina que altere a forma como lidamos com os medicamentos que tratam das patologias com as quais estamos constantemente expostos, alterando de um estado de tratamento focado, para uma terapêutica preventiva. O fator preponderante, principalmente, quando pensamos nas populações de países com grande contingente populacional e que não dispõem de recursos financeiros para acompanhar as constantes gerações de novos medicamentos, que tem alto custo final e pouco conhecimento sobre os efeitos colaterais devido ao pouco tempo de comercialização, assim como, suas interações medicamentosas. Portanto, a utilização de medicamentos baseados nos extratos de brutos ou purificados de baço bovino pode tornar-se uma saída viável e de baixo impacto financeiro nas populações de países sem condições de arcar com os custos de medicamentos atenuadores da patologia focal disponibilizados pelos grandes laboratórios farmacêuticos.

Referências Bibliográficas

[1] R. C. Quiroga, O. V. Castrejón, B. C. Mesa, and R. Chávez, “El factor de transferencia como agente terapéutico,” Prod. Biológicos Para Export. S.A. C.V, pp. 1–7, 1983.

[2] C. H. Kirkpatrick, “Structural Nature and Functions of Transfer Factors,” An N Y Acad Sci., pp. 362–368, 1993.

[3] I. Diseases and I. Division, “A New Basis for the lmmunoregulatory Activities of Transfer Arcane Dialect in the Language of Cells * ~ ’,” Cell. Immunol., vol. 116, no. 82, pp. 102–116, 1983.

[4] W. J. H. P. D, “Resumen extractado de : ‘ El Factor de Transferencia Fortalecido La combinación de un Extraordinario Suplemento para una función Inmune Optima ,’” no. 20, pp. 1–20.

[5] C. H. Kirkpatrick, “Transfer Factors : Identification of Conserved Sequences in Transfer Factor Molecules,” Mol. Medicie, vol. 6, no. 4, pp. 332–341, 2000.

[6] V. K. Singh, S. Biswas, K. B. Mathurt, W. Haq, G. S. K, and A. S. S, “Thymopentin and Splenopentin as Immunomodulators,” Immunol. Res., vol. 17, no. 3, pp. 345–368, 1998.

[7] S. Biswas, V. K. Singh, A. Rastogi, R. Sharan, W. Haq, and K. B. Mathurt, “STIMULATION OF IL-2 PRODUCTION AND CD2R EXPRESSION BY SPLENOPENTIN ANALOGS,” Int. J. lmmunopharmac., vol. 19, no. 6, pp. 341–345, 1997.

[8] A. K. Agrawal and C. M. Gupta, “Tuftsin-bearing liposomes in treatment of macrophage-based infections,” vol. 41, pp. 135–146, 2000.

[9] M. M. Cordero, S. G. Flores, M. O. Solano, S. E. Parra, and E. S. Miranda, “Safety and efficacy of treatment for severe atopic dermatitis with cyclosporin A and transfer factor,” Rev Alerg Mex, vol. 46, no. 2, pp. 49–57, 1999.

[10] H. Kh, S. Mf, and L. Tn, “Thymopentin treatment in severe atopic dermatitis-clinical and immunological evaluations,” Arch Dis Child, vol. 67, no. 9, pp. 1095–1102, 1992.

[11] S. O, S. IL, K. K, C. KD, and H. JM, “FcIgG receptor-bearing lymphocytes and monoclonal antibody-defined T cell subsets in atopic dermatitis : effect of treatment with thymopoietin pentapeptide ( TP-5 ).,” Int Arch Allergy Appl Immunol, vol. 69, no. 3, pp. 238–244, 1982.

[12] C. H. Kirkpatrick and M. D. Rethesdu, “Properties and activities of transfer factor,” Clin. Allergy Hypersensitivity, vol. 55, no. 6, pp. 411–421, 1975.

[13] G. Pizza, C. De Vinci, A. Palarti, and D. Viza, “25 YEARS OF CLINICAL EXPERIENCE WITH TRANSFER FACTOR.” 1999.

[14] M. L, L. M, O. D, and M. E, “Influence of a Bovine Spleen Etract o Immunological Responses in mice,” Int. Archs Allergy appl. Immun, vol. 64, pp. 128–137, 1981.

[15] I. Therapeutics, “Activities and characteristics of transfer factors,” pp. 13–16, 1996.

[16] R. Pr, B. Jd, B. Kw, and Z. Gp, “Effect of chain length on absorption of biologically active peptides from the gastrointestinal tract . PubMed Commons,” Digestion, vol. 60, no. 4, pp. 332–337, 1999.

[17] V. A. NAJJAR and K. NISHIOKA, “Tuftsin: a Natural Phagocytosis Stimulating Peptide,” vol. 228, pp. 672–673, 1970.

[18] P. JH, B. GF, and K. NISHIOKA, “Tuftsin : a naturally occurring immunopotentiating factor . I . In vitro enhancement of murine natural cell-mediated cytotoxicity .,” J Immunol, vol. 126, no. 3, pp. 915–921, 1981.

[19] C. Immunology, “Tuftsin deficiency in AIDS,” Lancet, vol. 337, pp. 12–13, 1991.

[20] K. NISHIOKA, J. R. Wagle, T. R. Jr, M. Maeta, S. Kubo, and S. E. Dessens, “STUDIES OF HUMAN GRANULOCYTE PHAGOCYTOSIS STIMULATION BY TUFTSIN.,” J. Surg. Res., vol. 56, pp. 94–101, 1994.

[21] M. Owais, I. Ahmed, B. Krishnakumar, R. K. Jain, B. K. Bachhawatb, and C. M. Gupta, “Tuftsin-bearing liposomes as drug vehicles in the treatment of experimental aspergillosis,” Tuftsin-bearing liposomes as drug Veh. Treat. Exp. aspergillosis, vol. 326, no. 1, pp. 56–58, 1993.

[22] N. JO, L. RJ, and van O. CJ., “The effect of anti ­ tuftsin antibody on the phagocytosis of bacteria,” Immunol Invest, vol. 20, no. 5–6, pp. 499–506, 1991.

[23] A. Di, E. Luzzi, V. Bocci, S. Silvestri, S. The, I. Tuftsin, and C. We, “Effect of tuftsin and its retro-inverso analogue on the release of interferon ( IFN- ) and tumor necrosis factor ( TNF-a ) by human leucocytes,” vol. 34, pp. 7–11, 1992.

[24] F. Trevisani, E. Castelli, F. Fg, M. Parazza, E. Loggi, M. Bertelli, C. Melotti, M. Domenicali, and G. Zoli, “Impaired tuftsin activity in cirrhosis : relationship with splenic function and clinical outcome . PubMed Commons,” vol. 50, no. 5, pp. 3–4, 2016.

[25] G. Zoli, G. R. Corazza, S. Wood, R. Bartoli, G. Gasbarrini, and M. J. G. Farthing, “Impaired splenic function and tuftsin deficiency in patients with intestinal failure on long term intravenous nutrition,” vol. 43, pp. 759–762, 1998.